Tecidos para uniformes: 5 principais tipos e suas características3 min read

Você já parou para pensar em como são desenvolvidos os uniformes profissionais? Eles devem atender a necessidades específicas, como temperatura do ambiente de trabalho, questões de segurança, possível desgaste, público com o qual o funcionário interagirá etc. Por isso, além do desenho correto, é preciso pensar nos tecidos para uniformes que sejam mais adequados para conciliar qualidade, conforto e conformidade com a função a ser desempenhada.

O empresário de confecção deve estar atento aos detalhes técnicos para conseguir entregar um produto ajustado à necessidade dos clientes. Para entender mais sobre as principais opções de materiais a serem utilizados na fabricação de peças de uso profissional, continue a leitura deste post!

1. Jeans ou brim

Esses são dois tecidos muito indicados para a produção de calças. Seu principal atributo é a resistência aliada ao conforto. As peças de jeans e brim são duráveis e fáceis de lavar. Além disso, são os mais indicados para atividades operacionais e industriais, já que conseguem garantir mais segurança ao trabalhador. Em ambientes de muito calor, podem trazer algum desconforto, justamente em função de sua textura mais grossa.

2. Microfibra

A microfibra tem origem sintética e habitualmente é uma opção para criar uniformes que exijam uma qualidade estética maior. Além de bonito e antialérgico, esse tecido é de secagem rápida e capaz de conservar a boa aparência mesmo após um bom tempo de uso e lavagens. Peças em microfibra são ideais para trabalhos como o de recepcionista, que tem contato direto com o público. Uma questão a avaliar é o custo, que costuma ser mais elevado que outras opções.

3. Algodão

Um dos tecidos mais versáteis e utilizados em confecção de uniformes, o algodão é leve e confortável. Sua boa adaptação a diferentes temperaturas e o fato de não reter tanto calor faz com que ele seja amplamente utilizado em camisetas e uniformes de diversas atuações: profissionais da saúde, funcionários do comércio em geral e estudantes, por exemplo. Há duas desvantagens: por ser uma fibra natural, tende a amassar com facilidade e pode sofrer deformações (encolher após a lavagem ou lacear com o primeiro uso).

4. Poliéster

Uma variação interessante é a mescla de poliéster e algodão (encontrada no moletom, por exemplo). A mistura proporciona uma fibra com o conforto do algodão e a durabilidade do poliéster. Este, sozinho, tem o inconveniente de não permitir que a roupa “respire”, ocasionando acúmulo de calor e umidade do corpo. Sua utilização é tão ampla quanto a do algodão, além de ser muito empregado em uniformes da área de hotelaria e culinária (com oxford). Porém, há uma ressalva importante: por se tratar de um fio originado do petróleo, existem normas de segurança que proíbem seu uso em roupas para profissões que tenham contato com o fogo ou materiais inflamáveis. Esse tipo de material, sob altas temperaturas, pode causar graves queimaduras.

5. Helanca

Criado a partir do poliéster, é um dos mais utilizados para fabricar uniformes escolares e esportivos. O custo-benefício é sua principal vantagem. As peças são muito práticas: confortáveis, resistentes e fáceis de lavar e secar

A escolha dos materiais para produzir roupas profissionais deve levar em consideração a finalidade. As funções podem ser operacionais, escolares, industriais, hospitalares, executivas, culinárias ou manutenção e limpeza. O fato é que todas têm suas particularidades. Conhecer os tecidos para uniformes mais utilizados e levar em conta as características de cada um é essencial para que você tenha condições de oferecer um bom produto.

Para saber de outros assuntos relevantes e receber novidades a respeito do setor têxtil, assine nossa newsletter!