Sustentabilidade é o futuro da indústria da Moda?5 min read

Varejistas do mundo todo estão entendendo o outro lado do fast fashion e caminhando em direção à sustentabilidade.

A indústria da moda é conhecida por criar tendências, e agora está trabalhando na sua tendência mais importante: a sustentabilidade. E ao contrário de algumas decisões da moda questionáveis, essa é uma tendência que todos os consumidores podem apoiar. Todo mundo está acordando para o fato de que a preferência do consumidor mudou, e ela quer produtos mais ecológicos.

Várias pessoas, globalmente, se tornaram conscientes sobre o que consomem, e começaram a questionar se as empresas fornecem ou não matéria-prima mão de obra de forma ética. Por causa das suas atitudes, muitas empresas têm começado a repensar e reinventar seus processos de produção. Isso inclui a indústria da moda moderna também. É fato conhecido que a indústria da moda produz muito desperdício por ano, e as pessoas comerçaram a buscar roupas sustentáveis. Muito em breve, para sobreviver, rótulos terão que começar a adotar meios de produção sustentáveis.

“Nós como marca sempre tivemos foco sustentável  no trabalho manual da Índia. Em nossa coleção recente, usamos pintura com bico e intrincada arte kalamkari usando cores orgânicas em tecidos artesanais. Cada peça que nós criamos pode ser reutilizado e estilizado dirente. Além disso, pode ser tratada como uma herança de família passada de geração para geração. Criar peças artesanais é um processo demorado e nós controlamos a produção de cada coleção, cada peça é limitada o que resulta na redução do estoque morto”, afirma a designer Archana Jaju.

Cada vez mais os consumidores querem ter um impacto positivo no meio ambiente. Pesquisas mostram que 88% dos consumidores querem que as marcas ajudem eles a ser mais ecológicos. Mesmo assim, a moda é notória por suas práticas de desperdícios que prejudicam o meio ambiente. Produtos de moda são responsáveis por 10% da emissão de carbono no mundo, mais que vôos internacionais e o transporte marítimo juntos. A indústria da moda é responsável por 20% da poluição da água no mundo. Se a indústria da moda continuar nesse caminho, irá produzir 26% do carbono mundial até 2050. Claramente, algo precisa ser feito para controlar a situação e interromper a indústria.

“Estamos nos movendo para um futuro mais consciente em todos os aspectos, tanto no ambiente de trabalho ou na vida pessoal! Dado a rápida mudança de ambiente, é necessário apenas que a indústria da moda se envolva e se comprometa em ter processos mais sustentáveis, com redução do desperdício. Como uma marca consciente, SAND adotou uma abordagem abrangente para esse compromisso. Estamos usando tecidos orgânicos à base de plantas como linho, algodão, aloe vera, rosa, eucalipto, proteína de soja com certificação da Ecological Plat Fibre. Até as nossas embalagens são feitas de papel reciclado certificadas pelo ECOenergy e EMAS. Deve ser assumido uma marca de moda não apenas aplicar mas educar o consumidor sobre suas práticas e impactos como usuário final”, afirma Shirin Mann, fundador da Needledust.

Um estudo feito pela Shelton Group comprova: Millenials querem comprar de empresas sustentáveis. E por causa do princípio básico de oferta e demanda, empresas de moda de luxo tem ações e passos para um futuro mais verde. Desde as principais iniciativas de sustentabilidade e CSR da Gucci, que têm sido feitas gradualmente nos últimos dois anos, até a tendência ética e sustentável de ficar sem peles que tem sido vista em um grande número de anúncios de marcas de luxo.

“A pandemia definitivamente mudou nossa perspectiva sobre nosso ofício. Percebemos como é prudente e imperativo projetar coleções nítidas e focadas, reduzir o desperdício projetando menos e garantindo que cada amostra, cada ponto e cada corte de tecido conte. Nosso planeta e natureza precisam ser nutridos, assim como nossas almas criativas, e não haverá paz se um custar o outro. O tecido é nosso ambiente imediato. A humanidade tem seu ambiente na natureza, mas o ambiente imediato do corpo são as roupas que vestimos. Do estágio à concepção à execução, a sustentabilidade é uma ideia que todos os designers devem abraçar. Mesmo pequenas contribuições individuais fazem a diferença e estamos fazendo isso reduzindo o desperdício, usando materiais reciclados, produzindo com sensatez e fazendo com que cada item valha a pena ser comprado com um pouco de consciência ”, compartilha a dupla de estilistas Pankaj e Nidhi, que mantém uma marca da mesma nome.

Enquanto isso, os varejistas ao redor do mundo estão entendendo o outro lado da moda rápida e estão se movendo em direção à sustentabilidade, pois está começando a perceber que os produtos químicos nocivos e resíduos de plástico criados devido ao uso intensificado de poliéster e outras matérias-primas não são biodegradáveis.

Mantendo o material em mente, os designers Pankaj e Nidhi afirmam: “Em nossa última colaboração com a R | Elan, usamos os tecidos mais notáveis ​​do futuro, como GreenGold, feito 100 por cento com garrafas de plástico PET recicladas, mas com um toque manual tão luxuoso quanto seda. Outros, como FeelFresh, que tem propriedades antimicrobianas permanentes e KoolTex, que absorve a transpiração e mantém o usuário se sentindo fresco e confortável por um longo tempo ”.

Fast Fashion é um grande exemplo da capacidade da cadeia de abastecimento global de produzir uma ampla gama de produtos para atender rapidamente às novas tendências, e as marcas de moda lucraram consideravelmente como resultado.

Mas em resposta às demonstrações climáticas mundiais no final do ano passado e às mudanças nas atitudes de sustentabilidade devido ao COVID-19, muitas empresas de moda estão mudando seus modelos de negócios para acomodar a crescente consciência dos consumidores sobre os impactos ambientais de seus próprios gastos.

Marcas de moda, grandes e pequenas, são mais vocais sobre seu apoio a causas ambientais e seu próprio uso de materiais mais naturais ou reciclados. Até a Zara, um grande nome da moda rápida desde os anos 80, se comprometeu a usar tecidos 100% sustentáveis ​​até 2025.

Fonte: Entrepeneur

Sem comentários

Deixe comentário

Translate »