Tendências do mercado da moda íntima

6 tendências do mercado de moda íntima que você precisa conhecer6 min read

O mercado de moda íntima está em constante renovação. Aliás, se engana quem pensa que não existem tendências no universo das lingeries. Em segmentos altamente competitivos, como o da indústria têxtil, é primordial buscar o novo para conseguir gerar o desejo de compra e acompanhar as necessidades do consumidor mais exigente.

Pesquisa recente realizada pelo Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI) indica que o que mais atrai os consumidores na hora da compra de lingeries não é o preço (29%), mas sim o bom atendimento e a variedade dos produtos (empatados com 42%).

O levantamento indica, também, que o consumidor busca por informações e tendências antes de finalizar a compra. Isso acontece ainda que, na grande maioria das vezes, a motivação de compra seja a substituição de peças velhas por novas.

Separamos seis tendências do setor da moda íntima para que você consiga agradar e fidelizar os seus clientes e, dessa forma, alcançar bons resultados.

1. Ampliação dos canais de venda

As vendas online caíram no gosto do consumidor. No caso da moda íntima, trata-se de um universo que desperta cada vez mais atenção. A possibilidade de vender lingerie pela internet agrada ao público que não se sente confortável em buscar pelos produtos que deseja nas lojas de formato tradicional. Mas, da mesma forma, a ampliação do mercado de venda traz uma série de outros benefícios.

Ter um marketplace, por exemplo, é uma escolha interessante para o lojista que deseja seguir para as vendas online, mas não quer aplicar um alto investimento. Entre as vantagens do e-commerce, estão:

  • custos reduzidos;
  • baixo investimento;
  • maior alcance de clientes;
  • diversificação do público;
  • funcionamento ininterrupto;
  • visibilidade e fortalecimento da marca.

Por isso, caso o seu negócio ainda não tenha uma presença online, talvez seja hora de reavaliar o seu planejamento. Ainda assim, para ter sucesso no concorrido mercado de moda íntima, é primordial ter um planejamento de compras robusto. Continue a leitura para conhecer as principais tendências do setor.

2. Lingerie exposta como roupa principal

Já se foi o tempo no qual a moda íntima era considerada um tipo de roupa a ser escondida. A lingerie virou item fashion e, de inúmeras formas, é utilizada como peça principal do look. Sutiãs expostos, corpetes utilizados com calça jeans, além de calcinhas hot pant podem ser protagonistas das produções.

O segredo para o lojista que quer conseguir envolver o seu cliente na compra de peças íntimas não apenas como “roupa de baixo” está em apostar nas coleções compostas por modelos mais trabalhados.

A sensualidade, aliás, não precisa ser uma regra nesses casos. Muitas vezes, essa lingerie aparente tem a função de facilitar o dia da mulher, que quer se sentir confortável, ainda que linda.

3. União entre conforto e sensualidade

Não é apenas a moda íntima como roupa principal que traz a ideia das lingeries que misturam sensualidade e conforto. É crescente a busca por lingeries que consigam combinar praticidade com beleza, o que tem sido cada vez mais possível com o uso da tecnologia têxtil.

Para isso, é importante investir em tecidos e acabamentos de boa qualidade, para que a lingerie não incomode, não aperte nem gere efeitos estranhos por baixo da roupa.

Sendo assim, o profissional atuante no mercado de moda íntima deve ser capaz de orientar na hora da compra. Esse papel pode ser desempenhado a partir do momento que a equipe é treinada para ter uma visão de personal stylist ou consultoria de moda.

4. Vendedores como consultores de moda

O cliente busca e preza por um bom atendimento. Por isso, vender da maneira tradicional, apenas suprindo necessidades, já não é mais o bastante. O atendente deve auxiliar o consumidor a compreender as possíveis formas de uso das peças de moda íntima, assim como dar dicas de combinações.

Atuar como um consultor de moda, aconselhando, orientando, mostrando sugestões de estilo, é uma forma de agregar valor à venda. Além disso, ajuda o cliente a fazer melhores compras e conseguir agradar.

5. Uso das redes sociais como ferramenta de divulgação

Pensa que é suficiente ter as melhores coleções e oferecer as últimas tendências aos seus clientes? Saiba que a divulgação por meio das redes sociais (principalmente pelo Instagram) é uma parte primordial da venda de peças íntimas.

É uma tendência do mercado da lingerie, assim como em outros segmentos, a comunicação que explora a conexão direta entre marca e cliente. Para tal, construa um calendário de divulgação e não se esqueça de variar o estilo de produtos que você apresenta. Outra opção é investir na contratação de microinfluenciadores digitais — que têm ótimas taxas de conversão para nichos específicos.

A ideia é agradar e engajar o seu consumidor, mostrando que você sempre oferece o que há de melhor no setor!

6. Apostas nas peças plus size

Agradar ao seu consumidor, aliás, deve ser prioridade. Por isso, já ficou no passado a ideia de que lingeries poderiam ser desejadas (e colecionadas) apenas por mulheres magras. A moda plus size também invadiu o segmento das lingeries e tem um potencial significativo de vendas — algo visto nas principais feiras têxteis.

Lembre-se, como citado anteriormente, da importância de se oferecer modelos que aliem conforto com beleza. Em todos os segmentos da moda íntima essa tem sido uma prioridade relevante!

É um importante desafio para a indústria da moda íntima seguir colocando a lingerie como peça central do look. Ousar, quando se trabalha com recortes de tecidos por vezes tão pequenos, pode ser difícil. Mas há um público consumidor que, de maneira crescente, utiliza calcinhas, sutiãs, corpetes e outras formas de transparência como ferramenta de identificação de estilo.

Quando se pensa em estilo e visual, no entanto, é importante ficar de olho em outras tendências estéticas. São elas:

  • strass e aplicações luxuosas;
  • mistura entre sportswear e moda íntima;
  • logomania em alças;
  • misturas de tecidos;
  • corsets utilizados como peça central;
  • bodysuit do dia até a noite.

As possibilidades do mercado de moda íntima são inúmeras! Expandir o comércio para as lojas online, explorar as possibilidades de divulgação por meio das redes sociais e capacitar a equipe de vendas para uma atuação focada na experiência dos clientes são apenas alguns dos pontos a se pensar como tendência para 2019.

Quer conhecer mais sobre as características da indústria têxtil? Saiba quais são os movimentos do mercado que precisam ser acompanhados!